Awari

McDonald’s e Steve Jobs: o que eles podem te ensinar sobre Product Design

Ok. Se você é um Product Designer (ou Designer de Produto, em português), já deve ter passado boa parte da vida tentando explicar para as pessoas o que você faz no dia a dia do trabalho. Isso porque responder apenas “eu sou um Designer de Produto” sempre gera mais dúvidas do que respostas em quem escuta. 

Para complicar as coisas, muitas pessoas ainda acreditam que o design só tem relação com a estética. Enquanto, na verdade, o design trata-se de resolver problemas. A estética até faz parte do conjunto, mas não desempenha um papel principal na experiência do produto. 

Por esse motivo, UX Designers (Designers de Experiência do Usuário) têm ganhado tanta importância nos últimos anos, já que essa vertente passou a ficar cada vez mais próxima do usuário e suas necessidades. Como disse Steve Jobs, fundador da Apple e uma das figuras mais importantes da história da tecnologia: “O design não é apenas a aparência e a sensação. Design é como funciona”.

Na imagem, você vê Steve Jobs com a seguinte frase (traduzindo para o português): "Design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona
Na frase de Steve Jobs é dito, em português: Design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona

Mas, afinal, o que é Product Design? 

Bom, para entender o que é Product Design, primeiro vamos explicar o que ele faz na prática. E talvez não haja maneira mais didática de exemplificar as atribuições de um Designer de Produto que usando o universo audiovisual, mais especificamente o filme “The Founder”, ou “Fome de Poder”, em português, que nos apresenta a origem do McDonald’s. O filme está disponível no HBO Brasil (assista neste link).

Hoje, porém, não iremos falar sobre as atuais estratégias de design de produto, marketing ou empreendedorismo que tornaram o McDonald’s a marca de fast food mais valiosa do mundo (até porque esse segredo é guardado a sete chaves, assim como a fórmula do molho especial do Big Mac).

No entanto, falaremos sobre uma cena específica retratada no filme. Nesta cena, que você pode assistir no Youtube, os dois irmãos McDonald transformam uma quadra de tênis em um protótipo para um restaurante. Como? Desenhando o projeto da cozinha com um pedaço de giz no chão.

 
Frame do Filme “Fome de Poder”, que conta a origem do McDonald’s.

Embora a proposta parecesse simples e confusa no início, aquele “contorno” tornaria-se escopo de um projeto de sucesso no futuro. O passo seguinte dos irmãos McDonald’s foi testar os funcionários em cada espaço para uma validação rápida da experiência. O intuito daquela iniciativa, explicado no filme, era entender qual configuração e fluxo de trabalho funcionariam melhor antes de investir dinheiro em qualquer equipamento.

Desta maneira, toda vez que algo dava errado ou não ficava fluído, eles apagavam e redesenhavam a estrutura, repetindo este processo várias vezes até descobrirem o processo, distribuição e design mais eficiente possível.

Pegou a referência? É isso mesmo que você está pensando. Naquela cena, os irmãos McDonald atuaram como Designers de Produto: eles começaram definindo o problema (a funcionalidade da cozinha), produziram alguns modelos de baixa fidelidade (na quadra de tênis), prototiparam e validaram sua ideia por meio de testes com usuários (que, no filme, foram os funcionários) e, assim, criaram a melhor solução possível para aquele problema de design da cozinha.

Bom, nem precisa dizer que a estratégia funcionou – e funciona até hoje – e tornou-se modelo e referência para outros restaurantes pelo mundo. Vale destacar, também, que o Product Designer também pode ter vários nomes. Você, por exemplo, já deve ter ouvido falar nomes como:

  • Experience Designer (XD)
  • Arquiteto de Informações (IA)
  • Designer de Interação (IX)
  • Arquiteto de Experiências (XA)
  • Designer de Interface do Usuário (UI)
  • Designer de Experiência do Usuário (UX)

Mas, independentemente da nomenclatura, o Product Designer é um profissional versátil e que terá como missão principal ser um solucionador de problemas. 

Dentre as atribuições de um Product Designer, estão:

  • Entender quem é o público, suas dores e necessidades. Ao mesmo tempo, analisar quais são as estratégias de negócio desse projeto pode impactá-las;
  • Organizar e sintetizar as informações que foram colhidas;
  • Procurar soluções para a demanda;
  • Criar protótipos para validar as ideias;
  • Testar o protótipo com a base de usuários e entender o que funciona ou não.

E qual a definição de Product Design?

Bom, o conceito de Product Design é exatamente o que você viu na cena de “Fome de Poder”. Ele pode ser descrito como todo o processo de criação de produtos e experiências utilizáveis, começando definindo os problemas das pessoas reais e pensando em possíveis soluções. Desta forma, todo esse processo levará ao melhor design para o seu produto.

Há três perguntas que são essenciais em todo projeto de Product Design:

  1. Que problema estamos resolvendo?
  2. Quem tem esse problema?
  3. O que queremos alcançar?

Responder a essas perguntas permite que os profissionais presentes em determinada squad entendam a experiência do usuário de um produto como um todo, e não simplesmente a interação (sentimento) ou visual (visual) parte de um design.

Aprofundando ainda mais no assunto, existem três tipos principais de design quando se trata de Design de Produto, são eles:

  • Design do Sistema
  • Projeto do Processo
  • Design de Interface

Todos eles desempenham um papel integral em toda a experiência do usuário porque todos servem a um propósito diferente.

Como iniciar na área? 

A boa notícia é que você não precisa de uma graduação na faculdade para se tornar um Product Design. No final, tudo se resume a você e ao seu processo de aprendizagem.

Atualmente, há um número vasto de plataformas online onde você pode aprender de forma gratuita, como os cursos da Coursera, por exemplo. Esses tipos de cursos são ideais se você está nos estágios iniciais do seu aprendizado e procura construir uma base de conhecimento na área. 

Há, também, outras forma de aprender, como:

  • No Youtube: em canais como o do designer Will Paterson 
  • Ou em sites como: Hackerdesign.org e Udacity, do Google.

Por outro lado, se você deseja se aprofundar ainda mais na área de design, você pode conferir os cursos intensivos de Product Management e UX Design oferecidos pela Awari. O maior diferencial deles é que você aprenderá na prática, por meio de projetos reais e mentoria de profissionais de grandes empresas do mercado, a compreender as necessidades, comportamentos e motivações dos usuários e utilizar as informações para melhorar seu produto e ter uma fonte de vantagem competitiva.

Eduardo Valim

Escrito por

Eduardo Valim

é redator na Awari e escreve sobre carreira e tecnologia.