Awari

10 de março de 2021

9 Dicas para Processos Seletivos em Produto

Imagine que você acabou de ser selecionado para um processo seletivo de Product Manager (PM). Parabéns, você está prestes a iniciar sua jornada em uma das carreiras mais empolgantes e de rápido crescimento da atualidade, de acordo com estudo da Product Management Insider

Mas, o que devo fazer para ser aprovado em um processo seletivo com concorrentes tão qualificados? Bom, não existe uma fórmula mágica, mas há estratégias que contribuem de maneira significativa para potencializar suas chances de aprovação nas seletivas. 

Com o desenvolvimento do mercado digital no Brasil e os investimentos na área, por exemplo, cresce, também, a necessidade de profissionais capazes de direcionar a estratégia, o plano de evolução e as entregas dos produtos digitais. 

Da mesma maneira, a escassez de pessoas com experiência no campo, somada ao grau de responsabilidade dessa profissão, faz aumentar a competição por profissionais entre as empresas. Por isso, uma base de estudo sólida e um bom gerenciamento de carreira são essenciais para o sucesso – características da metodologia de ensino do curso de Product Management da Awari

Ok, mas agora que você já tem um parâmetro sobre o mercado de Product Management (PM), vamos às dicas?

1. Familiarize-se com o processo 

É importante ressaltar que o processo seletivo para o cargo de Product Manager irá variar dependendo da empresa, da função e do seu nível de experiência profissional. Há, no entanto, alguns elementos que são bastante comuns em toda a seletiva da área. 

De maneira geral, há seis etapas no processo de seleção:

  • Currículo e Candidatura
  • Entrevista de Cultura (por vídeo-chamada ou presencial)
  • Feedback 
  • Entrevista com o Head (por vídeo-chamada ou presencial)
  • Apresentação de Case Prático
  • Onboarding

O primeiro passo é conseguir as entrevistas. Para isso, você precisará de um currículo de qualidade (curto e objetivo e, ao mesmo tempo, que se destaque dos demais) e, de preferência, uma pílula de apresentação adaptada à função e à empresa para a qual você está se candidatando. Empresas líderes como Google e Amazon, por exemplo, enfatizam fortemente a importância da cultura ou dos valores ajustados durante seu processo de inscrição.

Se tudo correr bem, você será convidado para a entrevista. Nesta etapa você conversará com um representante do time de Recursos Humanos por vídeo-chamada ou presencialmente. A narrativa deste primeiro contato, provavelmente, deverá começar com um Ice Breaker, ou quebra gelo, em português. Nessa conversa inicial, você deve esperar que o recrutador pergunte sobre o seu currículo, experiências profissionais ou como lidou com situações específicas, por exemplo. 

O próximo passo é o feedback. Caso positivo, você será guiado para a etapa subsequente do processo: a entrevista com o Head da sua área. Quando você chegar a esse estágio, deverá estar preparado para responder às perguntas específicas da área de PM. A etapa subsequente é a apresentação de um case prático com situações reais que você irá lidar no dia a dia.

Se tudo correr bem, essa será sua última etapa como candidato e, a partir daí, você será contratado e entrará no processo de onboarding para adaptação à cultura e ritmo de trabalho da empresa.  

2. Organize-se

Utilize ferramentas para organizar seu currículo, suas candidaturas e seus objetivos. Nelas, você poderá, por exemplo:

  • Ter acesso mais rápido às suas informações profissionais e pessoais; 
  • Listar em quais empresas candidatou-se ou irá se candidatar; em quais já fez ou ainda fará entrevistas e quais já recebeu feedback;
  • Organizar datas e horários para não ter conflito na agenda;
  • Revisitar e ajustar os seus objetivos em cada etapa dos processos. 

Sugestão de ferramentas para organização: Google Drive e Google Calendar. 

3. Busque informações sobre as empresas

Uma das etapas mais importantes. Conhecer a rotina e a cultura organizacional da empresa em que você pretende trabalhar é fundamental. Faça-se perguntas como:

  • Qual o produto principal da empresa?
  • Qual o modelo de negócio?
  • Qual será, exatamente, o tipo de trabalho envolvendo o produto que irei trabalhar? 

Duas dicas fundamentais aqui são pesquisar e consumir todo conteúdo cultural da empresa – desta forma, quando chegar nas etapas de entrevistas, você estará engajado com seus companheiros – e conversar com colaboradores para entender como é o workflow da empresa. 

Sugestão de ferramentas para buscar informações editoriais: site e redes sociais da empresa  (LinkedIn, Facebook e Instagram). 

4. Aprenda os tipos de perguntas

De modo geral – baseado em processos seletivos conduzidos pelas quatro maiores empresas de tecnologia do mundo: Google, Facebook, Amazon e Microsoft – as perguntas feitas nas entrevistas de Product Management podem ser resumidas em cinco tipos:

  • Estratatégia 
  • Design
  • Técnica
  • Análise
  • Comportamento

Entender e planejar suas respostas de acordo com cada tópico é fundamental para potencializar suas chances de sucesso. 

Sugestão de sites para praticar as respostas nas entrevistas:

PM Exercises: https://www.productmanagementexercises.com

Product Manager HQ: https://productmanagerhq.com/product-manager-interview-questions/

5. Treine muito

Já ouviu aquele dito popular: a prática leva à perfeição? Então, ele também se aplica aqui. O treinamento será essencial para uma boa performance na sua apresentação e entrevistas com gestores e líderes.

Pratique. A maneira mais fácil de simular uma entrevista é praticar as perguntas da entrevista em voz alta ou com colegas – principalmente na área de PM, que exige como uma das habilidades principais do profissional ser proativo e saber gerir grupos e produtos. 

6. Decida onde aplicar sua candidatura 

Diferentes empresas lidam de maneiras diferentes com os processos seletivos em PM. Em um exemplo global, a Amazon valoriza os princípios de liderança durante as seletivas. Já a Uber, por sua vez, tem uma visão diferente: trabalha com a parte cognitiva e sessões de brainstorm para avaliar seus candidatos.

Viu? Cada empresa tem um perfil de seleção e de cultura, e cabe a você, candidato, escolher qual se encaixa melhor com o seu perfil pessoal e profissional.

7. Procure comunidades e estude sobre Gestão de Produtos 

A melhor forma de assimilar todo conteúdo sobre Product Management (ou qualquer outra área de tecnologia) é estudar em comunidade. No contexto da educação, fazer parte de uma comunidade, por exemplo, traz uma série de benefícios que podem impulsionar a sua jornada de aprendizado. 

Busque conhecimento nas pessoas, em comunidades, procure livros/artigos para conhecer melhor o universo da gestão de produtos.

8. Elabore seu case

Um case nada mais é do que um problema ou situação real de negócio. Ele pode ou não ser inspirado em desafios específicos da empresa – mas o exemplo em si é o de menos: independentemente da história descrita, o mais importante durante a conversa é como você é o modo e a estratégia que você usará para resolver o problema. 

Desta maneira, estude a fundo sobre o funcionamento do business da empresa onde aplicou sua candidatura e vá além: procure entender o perfil dos clientes, dos dados, do mercado e de tudo que envolve o produto.

Após absorver todo o conteúdo, comece a se preparar para estruturar a resposta de um case. Há alguns passos que podem te auxiliar nesta etapa:

  • Entenda a pergunta
  • Entenda o objetivo da pergunta
  • Segmente a resposta

Não há uma resposta certa para um case. O importante para a empresa, na verdade, é entender o processo de como você criou uma estrutura de pontos para resolver o problema. Nesta etapa os recrutadores analisam se o candidato demonstra várias habilidade técnicas e capacidade de raciocínio lógico.  

9. Aprenda com os processos seletivos

Um processo seletivo é uma ótima oportunidade para aprender e se reinventar. Todas as vezes que o seu currículo for recusado ou que você não avance nas etapas da seletiva, peça um feedback para os gestores.

Os feedbacks são como uma aula e vão auxiliar seu desenvolvimento pessoal e profissional, além de te ajudar no processo de autoconhecimento e autocrítica para o próximo processo seletivo. 

O importante, na verdade, é não desistir. Como dizia Steve Jobs, um dos fundadores da Apple e talvez um dos maiores “Product Managers” da história (apesar de, no papel, sua função não ser essa): “Stay Hungry, Stay Foolish”.

A tradução literal da frase para o português não faz muito sentido (algo como Fique com Fome, Fique Tolo), mas no contexto em que ela foi dita, em um discurso para formandos de uma universidade na Califórnia (Estados Unidos), ela ganha outro sentido: significa que nunca devemos nos contentar com o que somos agora, nem se considerar um especialista. Sempre há mais a ganhar (“ficar com fome” de conhecimento) e mais a aprender (“ficar tolo”, para assumir riscos e tentar novamente).

Escrito por

Eduardo Valim

Com experiência como Repórter da Globo, atualmente é Redator na Awari. Apaixonado pela escrita e tecnologia, usa isso para criar conteúdos que ajudam pessoas a navegar por assuntos complexos.