Gestão de Produtos

20 Conceitos Essenciais para Começar em Gestão de Produtos

Por André Martins, Consultor de PM & UX na andre.digital

É um desafio enorme juntar todos os times de forma positiva para definir um caminho comum para fazer um grande produto. Essa é uma área que cresceu muito recentemente e trabalha junto com praticamente todos os outros departamentos. Por isso existem muitos conceitos utilizados para a Gestão de Produtos.

Para todos que planejam entrar na área de Gestão de Produtos ou estão trabalhando junto a GPs e querem entender este mundo é ótimo começar com os conceitos básicos.

Vamos ver alguns deles:

1. Agile

Agile ou Método Ágil é uma forma de trabalhar o desenvolvimento de software. Criada em oposição à metodologia Waterfall, ela prioriza alguns pontos sobre outros: Foca em trabalho colaborativo acima de processos, software entregue acima de documentação detalhada, colaboração com o cliente acima de negociação de acordos iniciais e resposta à mudança acima de aderência ao planejamento.

2. Scrum

Scrum é a mais conhecida metodologia ágil, que define com detalhes como um time deve estar organizado com relação às posições e suas responsabilidades, quais artefatos/documentos utilizar e quais atividades/processos devem ser executados. Muitas empresas de tecnologia adotam o Scrum como um todo ou parcialmente.

3. Sprint

Sprint é uma medida de tempo em que um time ágil trabalha em uma certa lista de projetos. A maioria das empresas tem sprints de 2 ou 3 semanas. Antes do início do Sprint é definido em grupo quais tarefas serão executadas e o time (scrum team ou squad) irá focar em entregar estas tarefas até o fim da Sprint, sendo ideal que outras tarefas não entrem na lista após o início.

4. Lean Startup Methodology

A Metodologia Lean (às vezes chamada de Enxuta) surgiu na Toyota e foi adaptada para a criação de produtos digitais. Ela foca no modelo de iteração (repetição) do ciclo build, measure, learn: Construir, medir e aprender. Estes princípios são aplicados especialmente na fase de descoberta de novos produtos ou features.

5. Product Owner

O PO é uma das posições dentro da Metodologia Scrum. Ele não executa as tarefas diretamente (como) nem define datas de entrega (quando), mas trabalha para coletar, organizar e definir quais são as tarefas a serem executadas (o que). Em muitas empresas as tarefas de PO são executadas pelo Product Manager, porém o papel do GP é mais amplo e tem outras responsabilidades.

6. MVP

MVP é a sigla para Minimum Viable Product. É uma forma de pensar como lançar o produto mais simples possível para validar a viabilidade de um negócio. A mesma lógica do MVP pode ser aplicada para validar uma melhoria num produto existente: O MVF: Minimum Viable Feature.

7. Product-Market Fit

Product-Market Fit significa que a empresa foi capaz de criar um produto que um mercado quer. É o objetivo principal de uma startup, e escalar e crescer uma empresa sem o PMF é um risco – apenas vão aumentar os problemas, mas o faturamento não.

8. Business Model Canvas

O BMC é o mais famoso dos “Canvas”: É um documento que lista em apenas uma folha os itens principais que definem a estrutura de um negócio. Os pontos principais são: Pareceiros, Atividades, Recursos, Propostas de Valor, Relacionamentos com o Cliente, Canais, Segmentos, Estrutura de Custos e Fluxos de Receita.

9. KPIs

Key Performance Indicators (Indicadores-chave de Performance) são métricas principais para acompanhar o produto como um todo. É como acompanhar os sinais vitais do produto. É interessante acompanhar muitas métricas, porém é importante identificar este conjunto central pequeno de variáveis que definem bem o sucesso do negócio.

10. Pirate Metrics

As Métricas Piratas (AARRR) são um conjunto de métricas que podem ser acompanhadas em um produto: Aquisição, Ativação, Retenção, Receita e Recomendação. As métricas se conectam e através de testes é possível fazer o refinamento e otimização de cada uma delas.

11. Teste A/B

A/B Testing é uma forma de experimento para comparação de duas versões de um design (uma feature uma página, um botão ou outro item). Através de análises é possível explorar quais das opções é mais eficiente de acordo com objetivos de negócio pré-definidos.

12. Growth Hacking

Com certeza é um termo que virou moda e sofreu certas críticas. Growth Hacking é um conjunto de estratégias não-tradicionais para focar em crescimento rápido da empresa. Não há uma linha clara separando o que cabe como growth-hacking ou não, mas é uma forma de trazer o marketing tradicional para um mindset mais experimental, rápido e iterativo.

13. Product Marketing

O Product Marketing foca em trazer um produto para o mercado e garantir seu sucesso, com estratégias específicas para pré e pós-lançamento. É uma sub-área do marketing com conhecimentos onde o produto tem importância central no negócio e foca especialmente nas partes de Aquisição e Ativação. Pode ser responsabilidade do gestor de produtos ou de profissional/equipe de Marketing.

14. User Stories

User stories são formas de definir problemas que o usuário quer resolver. Elas seguem esta estrutura de frase: Como um eu quero para que . Cada user story é utilizada como uma tarefa a ser resolvida pelo scrum team / squad e pode vir acompanhada de detalhes e outros documentos como wireframes.

15. Product Backlog

É basicamente uma lista de user stories e outras tarefas a serem executadas. O Product Owner é responsável por fazer sua manutenção, refinamento e organização. O PB é um repositório e a cada sprint as maiores demandas são escolhidas junto com o time/squad para serem executadas.

16. Kano Model

O Modelo Kano foi desenvolvido para identificar necessidades de usuário com uma perspectiva focada nas ofertas atuais disponíveis no mercado e a percepção do cliente. As necessidades são separadas em necessidades básicas (se não existir, desaponta), delighters (se existem, encantam), Unidimensionais (quanto mais, melhor), indiferentes (não geram satisfação) e reversas (geram insatisfação).

17. Design Sprint

Desenvolvida pelo Google, a Design Sprint é uma sprint focada especialmente no processo de descoberta para uma necessidade ou novo produto. Ela segue a sequência ideia > construção > lançamento > aprendizado. É estruturada para ocorrer durante uma semana e envolve diferentes profissionais.

18. Visão de Produto

A visão do produto é o objetivo central do produto ou linha de produtos. É a direção para onde queremos ir e qual desafio central estamos focando em resolver. Ela deve ser simples, clara, inspiradora e vai ajudar a guiar as decisões de produto.

19. OKRs

Objectives and Key Results (Objetivos e Resultados-Chave) é uma forma de estruturar quais objetivos devem ser atingidos no futuro próximo (normalmente 3 meses ou anual) e quais são os resultados mensuráveis que indicam que estes foram atingidos. Podem ser utilizados para produtos, times e até indivíduos.

20. Roadmap

O Roadmap é um plano estratégico para organizar quais features serão criados ou problemas serão resolvidos no futuro, incluindo milestones (momentos-chave) que irão garantir que o produto está movendo na direção da visão planejada.

Gestão de Produtos é uma área complexa e para ser um grande profissional é preciso aprender um pouco de tudo sobre diferentes disciplinas.

Espero que esta tenha sido uma boa introdução sobre alguns conceitos. Estas definições são explicações rápidas, para podermos ter uma visão geral. Cada um destes termos é um mundo com detalhes, estratégias e técnicas que foram testadas e refinadas por muitos profissionais.

Se você quiser saber mais sobre negócios, produtos digitais e aprender mais sobre Gestão de Produtos clique aqui para conhecer o curso da Awari.

André Martins

André Martins é Consultor de Product Design & Management. Tem mais de 12 anos de experiência criando produtos digitais para startups e Fortune 100s como Walmart e Unilever. Trabalhou na Disney, foi fundador de duas startups e já mentorou mais de 300 Designers e PMs.